Escolha uma Página

Pessoal, esse é um espaço onde faço barulho e coloco os meus pensamentos sobre temas que não necessariamente são da alçada de uma deputada estadual, mas são importantes para que possam me conhecer melhor e saber como vou, ou como tendo a me posicionar sobre determinados temas. Em relação a alguns deles sou radical, a outros posso estudar melhor, ouvir diferentes considerações e reformular o meu modo de pensar. Não sou endurecida, fechada ao diálogo e nem tenho sempre “aquela velha opinião formada sobre tudo”. A vida é dinâmica e temos que acompanhar as suas mudanças e desdobramentos.

Vamos lá, então. Em termos gerais acredito que cada pessoa tem o direito de viver a sua vida como bem entender, em plena liberdade, mas com consciência de que somos responsáveis por nossos atos e suas consequências. A liberdade individual, de pensamento e expressão, a liberdade de imprensa, o direito à propriedade privada e o direito ao trabalho são valores inegociáveis pra mim. Sou absolutamente contra qualquer forma de censura e cerceamento de liberdade. A ideia de um Estado que em tudo se mete, que tudo provê e controla me causa pânico.

Defendo que o Estado deva ser obrigatoriamente laico com as principais funções de manter a ordem e garantir que as leis sejam cumpridas. Ele tem a obrigação de devolver à sociedade, saúde e educação de qualidade, segurança e justiça. Deve buscar incessantemente o pleno acesso e gozo de toda a população a esses serviços para que todos os indivíduos,sem exceção, e sem nenhuma forma de discriminação, possam lutar por seus sonhos, desenvolver as suas habilidades e viver de forma digna.

Fazendo BARULHO pela mudança

Os 3 poderes. Legislativo, Judiciário e Executivo.

Por outro lado, só acredito que isso seja possível se a sociedade exercer plenamente a sua cidadania, isto é, estiver sempre atenta ao funcionamento das instituições, controlar rigorosamente as atividades e decisões dos participantes dos 3 poderes, exigindo a justa e eficiente gestão dos recursos públicos e seus deveres constitucionais.

Combato com todas as forças a burocracia, o excesso de impostos e a complicação para administrá-los. Luto por um país empreendedor, onde seja simples abrir e fazer negócios, empregar pessoas e gerar riquezas. Acredito no livre mercado e na livre concorrência com regulamentação e fiscalização do Estado.

 Por ser uma pessoa extremamente eclética, gosto de viver num ambiente múltiplo e diverso e acho, não só possível, como enriquecedor, conviver em meio a várias religiões, filosofias, raças, línguas e culturas.

Não sou da turma do que se convencionou chamar de “politicamente correto”. Pertenço ao time do RESPEITO, coisa que está em desuso, mas que antes aprendíamos em casa com a família, nas escolas de verdade, com professores comprometidos com educação e formação de indivíduos.

Orientação sexual, assim como casamento entre pessoas do mesmo sexo são questões de foro íntimo, pessoais, não cabendo ao Estado se intrometer ou regular além do que já o faz em relação às uniões heterossexuais. Simples assim.

Combato veementemente a cultura do “jeitinho brasileiro”, do “tirar vantagem em tudo” e do “você sabe com quem está falando?”.

Tenho plena consciência do enorme gap entre os gêneros no mercado de trabalho. Isso deve mudar urgentemente. Quanto maiores os níveis de igualdade entre homem e mulher, maior ainda o crescimento socioeconômico do país. Estudos e pesquisas demonstram que, em lugares onde as mulheres participam ativamente da política, há menos corrupção ao mesmo tempo que políticas públicas de maior impacto social são desenvolvidas. Aliás, é inconcebível que o Brasil esteja atrás de países com forte tradição islâmica, onde, até outro dia, as mulheres eram proibidas de estudar, trabalhar e até sair nas ruas sozinhas. Bizarro!

Nasci em uma família de mulheres fortes e trabalhadoras. Sendo assim, acho importante ir à luta e batalhar para vencer os obstáculos culturais e legais que impedem a nós, mulheres, de ocuparmos um espaço maior na vida pública e no mercado de trabalho. Chega de injustiça, vamos lutar contra a violência, contra preconceito e contra a intimidação. Todas as mulheres  devem ser respeitadas e reconhecidas, sem exceção. Vamos fazer barulho, vamos exigir mudanças!!

Quero saber a opinião de cada um de vocês e espero que possamos renovar o Rio juntos! #VamboraRio #VamosRenovarTudo

Quer me ajudar a renovar o Rio?

 

Deixe seu e-mail para receber nosso material!

E-mail enviado com sucesso!